Portugalis®

Publicação Periódica registada na ERC,
sob o n.º 127078.

Marca Nacional registada no INPI sob o n.º 412214.

Turismo, Cultura, Lazer, Saúde, Desporto
e Bem-estar.

Diretor: Nuno Pinto

Castelo de Paiva
Castelo de Paiva
Foto: CM Castelo de Paiva
PUB

Minho-Lima | Viana do Castelo

Romaria d’Agonia vivida com “alegria contida” porque “Viana é Amor à vida”

O Presidente da Câmara Municipal de Viana do Castelo assume que, este ano, as Festas em Honra de Nossa Senhora da Agonia estão a ser vividas virtualmente, com uma “alegria contida”. “Apelo a que continuemos a fazer da nossa festa um hino à nossa vida e à vida da nossa comunidade. Os poetas dizem que Viana é Amor. Agora, temos dado sinal que Viana é Amor à vida”, declarou.

Na habitual cerimónia de apresentação de cumprimentos das Festas d’Agonia ao executivo municipal, que este ano aconteceu no Teatro Municipal de Viana do Castelo, José Maria Costa apelou a que os vianenses mantenham “o comportamento exemplar” que têm tido em tempos de pandemia. “Foi por amor à vida que, este ano, fizemos uma festa mais contida”, vaticinou.

O edil indicou que, sendo este “um ano diferente”, estamos a viver a romaria de uma forma diferente, “sentindo a nossa festa”. “Todos nós sentimos que gostaríamos de viver a nossa romaria em pleno. Estamos a vivê-la de uma forma contida”, referiu o autarca, elogiando “o brio, a dignidade e a autenticidade” do programa de comemoração virtual que foi preparado pela Comissão de Festas.

José Maria Costa informou que o Primeiro-Ministro, António Costa, lhe enviou uma mensagem a afirmar que “a pandemia por Covid-19 não matará as Festas” e deixando a garantia que, em 2021, espera poder voltar a participar na Noite dos Tapetes da rainha das romarias.

“Era hoje, sexta-feira, que as nossas mordomas vinham à rua com o seu traje, para mostrar a todos a sua vivência e cultura e para convidar todos para as festas”, referiu, lamentando que os vianenses não possam usufruir em pleno da rainha das romarias, já que “a nossa comunidade e os nossos emigrantes precisam da festa para recuperar energias e ganhar ânimo para um ano de trabalho”.

Gosta desta página no Facebook